Rede de Solidariedade Criptosindical

Este é um dos modelos possíveis de rede de solidariedade. Invente e pratique os seus!

Pressupostos

Não importa o que aconteça, pessoas vão rodar.

Se por um lado a martirização dessas pessoas pode contribuir para comoção e reversão do quadro repressivo, sabemos historicamente que esse efeito é muito secundário, é eticamente questionável e não compensa a dor e a perda de importantes quadros. A reorganização da esquerda será muito mais rápida caso tais pessoas tenham sua integridade física e psicológica garantidas.

Objetivos

Manter uma rede de solidariedade descentralizada, distribuída, que dê conta de arrecadar e manter diversos recursos disponíveis e garantir que cheguem a quem precisa com velocidade.

Ainda, a rede de solidariedade precisa ao mesmo tempo ser conhecida por quem precisa mas extremamente discreta, para ela mesma não se tornar um alvo da repressão.

Recursos são diversos e incluem:

  • Dinheiro.
  • Moradia temporária.
  • Transporte e proteção.
  • Assistência jurídica, psicológica e de saúde.

A rede deve ser eficiente: com o mínimo de trabalho necessário os recursos devem ser arrecadados e atribuídos.

Caráter Emergencial

Uma rede deste tipo pode existir permanentemente e sobreviver ao longo de regimes políticos e humores sociais.

Ela também pode mudar para, em tempos mais normais, se transformar numa geral para arrecadação e distribuição de recursos, onde pratica-se a generosidade econômica de dividir a fartura e a bonança da superprodução para quem precisa.

Ela também pode se transformar numa plataforma sociotécnica mais sistematizada e automatizada.

Porém, no momento, a urgência e os requisitos de segurança e privacidade requerem sua operação de forma artesanal.

Protocolo de Operação

O ganho em eficiência e escala da Rede em relação à solidariedade puramente espontânea se dá pela organização da forma como se segue.

Momentos:

  1. Arrecadação de recursos: precisa ser feito constantemente.
  2. Distribuição de recursos: feito de acordo com pedidos.

Papéis:

  1. Núcleos de Arrecadação e Distribuição.
  2. Rede de Apoio: pessoas e grupos que fornecem recursos e ajudam a fazer quem precisa entrar em contato.
  3. Pessoas que são apoiadas.

Logística:

  1. Recursos não precisam permanecer centralizados. A ideia é justamente que eles fiquem distribuídos de tal modo que possam chegar a qualquer local em tempo uniforme, isto é, sempre com a mesma agilidade.
  2. A missão dos Núcleos é fazer a gestão dos recursos de forma mais segura possível, protegendo a identidade das pessoas e a localização de pessoas e recursos.

Requisitos de Participação:

  1. Em Núcleos, apenas pessoas com suficiente estabilidade física e psicológica com perfil pragmático e tarefeiro.
  2. Rede de Apoio: esquerda ampla, frentes anti-fascistas, indivíduos progressistas.
  3. Pessoas apoiadas: quem estiver precisando e conseguir entrar em contato ou serem encontradas.

Exemplo de Implementação

1. Núcleos

  • Máximo de 7 participantes por Núcleo. O número 7 é importante pelas suas propriedades de reduzir polarizações (número primo, ímpar).
  • Carga horária mínima de 4 horas semanais.
  • 1 TPC e um celular mais seguro por participante.
  • Para cada tarefa alocada são necessárias no mímimo duas pessoas para haver redundância.
  • Rotatividade de tarefas.
  • Comunicação interna usando criptografia razoável.
  • Arquitetura da informação distribuída, sem dado disponível em servidor de forma descriptografada.
  • Comunicação externa suportando tudo quanto é tipo de canal.
  • Tarefas de rotina incluem a arrecadação e checagem de recursos disponíveis.

TODO

  • Tornar o texto fácil, acessível, curto e direto.
  • Dar um exemplo mais concreto de funcionamento.
  • Análise de ameaças:
    • Infiltração.
    • Corrupção/transparência.
    • Treta interna/degeneração.
    • Pedidos de ajuda falsos / DoS.
    • Vazamento de informação.